ISSO NÃO É AMOR, COLEGA

13:19



Um dia você entenderá. Um dia sempre entendemos que aquilo tudo que acreditamos nunca foi amor. Costumam dizer que amor e paixão são sentimentos distintos, mas há vezes, creio, que não sentimos nem um, nem outro. E há vezes que acho que é tudo a mesma coisa. Existem várias versões em mim...

Não sou nenhuma especialista, quem dera, mas há um tempo venho observando as relações – minhas e de pessoas próximas – e diante conversas e desabafos, vejo que o envolvimento se torna cada vez mais distante; vivemos a atualidade do jogo do desapego, do disfarçar dos sentimentos, a disputa de quem pisa mais e se importa menos (dã), quando na verdade só esperamos suprir desesperadamente um enorme vazio e alimentar nosso terrível ego. Mas isso é assunto para outro textão.

O que quero dizer aqui é que não sofremos por amor, quando nem ao menos sentimos esse 'amor'; sofremos por deixar que levem esse nosso amor (ou paixão) com eles, quando se vão.
Li recentemente um livro que me esclareceu mais ainda sobre isso:

"(...) Quando você se entregou, esperava que ele tivesse deslocado energia a você na mesma intensidade. E quando menos esperava, você ficou sem seu amor. Não estou chamando o parceiro de seu amor, mas sua energia que ficou com ele. Ele, Sophia, ficou com seu amor. Não é dele que sente falta, mas sim do seu amor que está com ele."



Esse vazio que fica, juntamente com a carência, é o que fode a porra toda. É quando criamos projeções sobre outrem com as características que queremos que ela tenha; geralmente até com nossas próprias características, e não pode funcionar assim.

Não funciona. É quando mal conhecemos a pessoa por dentro e nos apegamos com a ilusão da projeção feita por fora, ou o fato dela ocupar aquele cantinho, aquela falta de sexo e/ou carinho momentâneo. Aquela segurança de ter alguém.

Ou seja, criamos nosso próprio sofrimento nos iludindo de nós mesmos.
Geração mete-o-loko da porra.

Já pensei estar "apaixonada" ou até mesmo gostando de verdade diversas vezes de uns rolos alheios, quando na hora do *AcabouAcabou*, seja pela falta de reciprocidade, cansaço da projeção... seja por qual motivo for, o desapegar surge tão simples que penso: puuuts, não era nada disso...

Cada um pro seu lado: valeu, falou! Isso pra mim não é "sofrer por amor", mal lembro que cheguei a supor um gostar.

Sacou?
Era carência. Era bad. E isso é "normal" - com muitas aspas!

Ps: Não que para ser amor você precise necessariamente sofrer. Mas quando ""perdemos"" algo real dói, né?

Então.

Eu e meus amigos/as nos encontramos no questionamento: "por que estamos nos envolvendo sempre com pessoas tão bosta?"

E, talvez, colega, porque estamos emanando isso ao universo???! Talvez porque esse vazio em nós ninguém vai suprir, senão nós mesmos?!? POIS! Para se envolver com alguém, precisamos envolvermo-nos antes, lidando com nossas fragilidades, demônios e principalmente: o maldito ego.

Ai pode ser que consigamos evitar esses metedor-de-loko da porra e nos envolvermos com alguém descente (e se envolver não é necessariamente um relacionamento sério hein), que não precise de alguém qualquer pra suprir seu vazio, carência, ego...

mas até ai:
TENTA A SORTE!

You Might Also Like

0 Comentários

FALA MEMO!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Escrevo aqui também

Subscribe