meio amargo, meio azedo. você

01:44

mentiras, enganações, desilusões amargas
na calada da madrugada que não é tão calada. 
se prende em suas próprias ilusões e maus testemunhos 
acredita na própria farsa, que reais, apenas no seu mundo.
e eu que nunca quis sentir o que era o amor
eu que sempre senti na veia o ódio, a magoa, o rancor.
por favor, doutor... me afogo nas lamentações de sentir 
essa porra que com o ferro fere, com o ferro nunca irá se ferir.
minha respiração afobada é fruto da minha raiva
que a cada dia aumenta a estatística dessa minha mente deturpada.

Dose de brisa.
03:43 

You Might Also Like

0 Comentários

FALA MEMO!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Escrevo aqui também

Subscribe